“SE SEUS PROJETOS FOREM PARA UM ANO,SEMEIE O GRÂO.SE FOREM PARA DEZ ANOS,PLANTE UMA ÁRVORE.SE FOREM PARA CEM ANOS,EDUQUE O POVO.”

“Sixty years ago I knew everything; now I know nothing; education is a progressive discovery of our own ignorance. Will Durant”

OBRIGADO DEUS PELA VIDA,PROTEGENOS E GUARDANOS DE TODO MAL


AUTOR DO BLOG ENG. ARMANDO CAVERO MIRANDA SAO PAULO BRASIL

sábado, 30 de abril de 2011

José Joaquín Bruner entrevista de Modesto Montoya: Ministerio de Ciencia y Tecnología

BRASIL VICE CAMPEAO MUNDIAL TORNEIO AUTOMOVILISTICO BAJA 2010 CAROLINA DEL SUL USA



Brasil se sagra vice-campeão na Competição Baja SAE Carolina, nos EUA
A equipe FEI Baja foi a 2ª colocada, a Mauá 1 a 7ª e a Poli Titan a 9ª na competição, realizada de 8 a 11 de abril, pela SAE International
25/4/2010 19:43:49

O Brasil se sagrou vice-campeão na Competição Baja SAE Carolina 2010, encerrada neste domingo, 11 de abril, em Greenville, Carolina do Sul, nos EUA. Os estudantes do Centro Universitário da FEI (Fundação Educacional Inaciana), de São Bernardo do Campo, conquistaram 910,72 pontos, atrás da equipe Alýrion, da Universite Laval, do Canadá, com 911,90 pontos. Na competição realizada pela SAE International, que reuniu 100 equipes ainda do México e Estados Unidos, o Brasil se destacou com mais duas posições: a equipe Mauá 1, do Instituto Mauá de Tecnologia, de São Caetano do Sul, ficou com a 7ª colocação (834,65) pontos; e a equipe Poli Titan, da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli USP), garantiu o 9º lugar, com 810,38 pontos.

Entre as oito provas estáticas e dinâmicas da competição, o Brasil ficou na frente em três quesitos. No item Projeto, somatória de nota de relatório + apresentação de projeto, tudo em inglês, a equipe FEI Baja foi considerada a melhor da competição, que teve início dia 8. Em Aceleração, a equipe Poli Titan ficou em primeiro lugar, a FEI Baja em terceiro e a Mauá 1 em quarto.

Na prova de Manobrabilidade, em que os carros off road, denominados Baja SAE, tinham de percorrer um traçado no meio da floresta do Clemson University International Center for Automotive Research, repleta de árvores bem próximas e de curvas fechadas, as equipes brasileiras mostraram que os carros foram bem projetados. A equipe Poli Titan ficou em primeiro lugar, a FEI Baja em terceiro e a Mauá em quinto.
A prova de Suspensão e Tração também foi bastante seletiva e com obstáculos, com troncos de árvores e pedras, porém mais fáceis que os apresentados na 16ª Competição Baja SAE BRASIL-PETROBRAS, realizada em fevereiro, em Piracicaba, SP. A organização norte-americana desafiou os carros, projetados e construídos pelos estudantes de engenharia, a rebocarem uma BMW X6 por 75 metros no menor tempo possível. Na prova, o destaque brasileiro ficou por conta da equipe FEI Baja, que garantiu o quinto lugar.
As equipes brasileiras também foram desafiadas a despachar os relatórios e os Baja SAE para os EUA em menos de um mês, menos da metade do tempo usual. “Parabéns para essas equipes e os seus respectivos patrocinadores, que se sensibilizaram com a situação e souberam atender a essa necessidade”, diz Ronaldo Bianchini, gerente de Associação, Programas Estudantis e Seções Regionais da SAE BRASIL, que acompanhou as equipes nos EUA. Segundo Bianchini, além de engenheiros, os estudantes se mostraram hábeis negociantes.

As três equipes brasileiras ganharam o direito de representar o País nos EUA após alcançar as melhores pontuações em Piracicaba. Na competição da SAE Internacional, as equipes brasileiras já venceram quatro vezes: em 1998, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte; e em 2004, 2007 e 2008, pela FEI.

Baja SAE – Os veículos Baja SAE são protótipos de estrutura tubular em aço, monopostos, para uso fora-de-estrada, com quatro ou mais rodas e devem ser capazes de transportar pessoas com até 1,90m de altura, pesando até 113,4 kg e motor padrão de 10 HP. Os sistemas de suspensão, transmissão, freios e o próprio chassi são desenvolvidos pelas equipes, que têm, ainda, a tarefa de buscar patrocínio para viabilizar o projeto.

Besaliel Botelho, presidente da SAE BRASIL, destaca que o Projeto Baja SAE BRASIL é fundamental para completar o preparo dos futuros engenheiros para o mercado, já que devem vencer o desafio de projetar, construir e operar um veículo de alta resistência e desempenho. “Os estudantes passam a integrar um ambiente real de desenvolvimento de produto, com todas as suas atividades correlatas, como a aplicação de conceitos técnicos, a análise da viabilidade financeira do projeto, logística e cumprimento de prazos. Quem passa pela competição sai bem mais capacitado para o mercado”, diz.

FONTE:http://www.saebrasil.org.br/imprensa/PressRelease/exibe.asp?codigo=482


Engenharia (Mecânica, Robótica, Automobilística,Eletrica)APLICADA EM EVENTO AUTOMOVILISTICO BAJA 2011 BRASIL



Carros em alta velocidade passam por testes de resistência em circuitos com obstáculos para chegar ao pódio. Pode não parecer, mas a disputa é parte de um projeto acadêmico no qual estudantes de engenharia aliam teoria e prática, projetando, fabricando e dirigindo carros off-roads ("fora de estrada"). É o que mostra o Globo Universidade deste sábado, exibido às 07h15. A repórter Lizandra Trindade acompanha a 17ª Competição Nacional de Baja, modalidade de automobilismo disputada apenas por estudantes de engenharia. O termo Baja é referência ao deserto com o mesmo nome, localizado na Califórnia (EUA), onde acontecem diversas competições. Na disputa, tudo fica por conta dos universitários: dos laboratórios às oficinas, das pistas aos boxes. Esse ano, a competição envolveu 67 equipes de 14 estados diferentes. O programa mostra os desafios enfrentados pela campeã de 2010, a Fundação Educacional Inaciana (FEI) de São Bernardo do Campo (SP).

Todos os participantes do Baja são matriculados em cursos de Engenharia (Mecânica, Robótica, Automobilística, entre outras). Os times contam com um professor orientador e um aluno que assume a função de capitão. O desafio começa na universidade. Nos laboratórios e oficinas, os alunos elaboraram o projeto do carro, prevêem problemas, montam e testam os veículos. Roberto Bortolussi, professor de Engenharia Mecânica da FEI, explica que participar da competição é mais do que disputar um prêmio. "O estudante faz uma aplicação de todas as ferramentas que aprende em sala de aula. É o mais próximo de um trabalho em indústria".

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Legrand : nouvelle acquisition au Brésil avec SMS. Legrand reinforces its positions in Brazil and steps up development in energy by acquiring SMS

CercleFinance, le 28/04/11

(CercleFinance.com) - Legrand annonce le rachat de SMS, le leader du marché brésilien des UPS (Alimentation Statique sans Interruption - onduleur). Cette acquisition renforce les positions de Legrand au Brésil ainsi que son offre de performance énergétique.

Legrand entend accélérer son développement dans les nouvelles
économies dont le chiffre d'affaires devrait représenter cette année 35% des ventes totales du groupe.

Après les rachats d'Alpes Technologies, de Zucchini et plus récemment d'Inform et de Meta System Energy, Legrand poursuit, avec l'acquisition de SMS, son développement dans la performance énergétique, une activité en forte croissance.

Implanté à proximité de Sao Paulo et dans le nord du Brésil, SMS qui dispose de trois sites de production et emploie plus de 1 100 salariés, a réalisé en 2010 un chiffre d'affaires de près de 80 ME et une marge opérationnelle à deux chiffres.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Космическая станция "Мир" раскрывает тайны...Space station "Mir" reveals the secrets



Space station "Mir" reveals the secrets
For the first time Russian space crews directly involved in implementing a national educational program, using the opportunity (now defunct) space station Mir.
Only now, you can see this film in full ...
During the lessons astronauts illustrate the laws of nature with unique experience and experiment is possible only in conditions of weightlessness show natural phenomena and processes occurring on Earth and beyond, in their dynamics and interactions. All of this demonstration shows how little we understand the structure of the universe, the device of the Earth and all the processes taking place close to us ...

sábado, 23 de abril de 2011

Etanol de 2ª geração: o futuro dos biocombustíveis

Ônibus à biodiesel

ENG. EXPEDITO PARENTE REFERENCIA MUNDIAL EM BIODIESEL

BRAZIL Mapping the global wind power resource



Wind Power secures Electricity Generation in Japan after earthquake, tsunami and nuclear accident




Wind Power secures Electricity Generation in Japan after earthquake, tsunami and nuclear accident nagoya

No wind turbine was damaged by these disasters, and wind power contributes to the electricity supply in Japan

Tokyo/Bonn (WWEA) – According to data provided by the Japan Wind Power Association, no wind turbine in Japan was damaged by the recent earthquake and by the tsunami. As of the end of 2010, Japan had a total installed wind capacity of 2304 MW, with 1746 wind turbines.

Kamisu offshore wind farm became the first survivor against a tsunami in the world. There are seven units of 2MW SUBARU80/2.0 wind turbines on monopile foundations, about 40m offshore from the coast. Kamisu is located about 300 km from the epicenter of the earthquake, and an about 5 m height tsunami hit this area. But the Kamisu offshore wind farm has survived and is now in operation.

Also these results suggest that the anti-earthquake construction design of wind farms in Japan is very reliable. Japan has proven to be a world leader in such so-called "battle proof design".

Most of the wind turbines installed in Japan are in operation now. As the electricity is temporarily running short at the Eastern part of Japan, these wind turbines contribute to the national electricity supply.

WWEA Vice President Prof. Chuichi Arakawa: "Now we have to make strong efforts in Japan to focus much more on renewables, especially wind power, for the next road map of energy and environment. Various studies have shown that Japan is blessed with an abundance of wind and other renewable resources which can be used to rebuild and strengthen our country. We need some time to summarize this situation while taking Japanese mentality into account. However, I am confident that Japan will draw the necessary conclusions from the recent incidents and hopefully start to become a renewable energy nation."

FONTE: http://www.wwindea.org/home/index.php?option=com_content&task=view&id=300&Itemid=40

Wind energy in west Texas, Wind Turbines

Fonte eólica deve aumentar participação na matriz energética

ARTIGO TOMADO DO SITE:http://www.grupoenerbio.com.br/blog/tag/parque-eolico/

Fonte eólica deve aumentar participação na matriz energética
postado por Gabriel| janeiro 31st, 2011 |Comentários 0 comentários


A geração eólica, que atualmente representa uma fatia de menos de 1% da matriz de energia elétrica nacional, deve alcançar um patamar de até 15% em dez anos. O presidente da Ventos do Sul Energia e coordenador da Divisão de Infraestrutura, Energia e Comunicações da Federasul, Telmo Magadan, aposta nesse crescimento e no desenvolvimento de uma cadeia local de fornecedores de equipamentos eólicos. A Ventos do Sul Energia é a responsável pela operação do parque eólico de Osório, que conta com 150 MW de capacidade. Além desse complexo, o grupo Elecnor/Enerfin (controlador da companhia) já assegurou a ampliação em 150 MW da sua capacidade de produção eólica no Estado, nos municípios de Osório e Palmares do Sul. Magadan ainda integra o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES-RS) do governo Tarso Genro.

JC Empresas & Negócios – Hoje, com cerca de 925 MW em geração eólica, a fonte tem uma participação de 0,82% na matriz de energia elétrica brasileira. Qual a projeção de crescimento para os próximos anos?
Telmo Magadan – A diversificação das fontes de energia na matriz elétrica brasileira é algo muito importante. O Brasil é uma potência energética hoje das maiores do mundo e temos todas as formas de energia no País, inclusive a eólica. Acredito que a geração eólica possa atingir de 12% a 15% da matriz elétrica nacional em um período de dez anos.
Empresas & Negócios – Qual será o apetite do grupo Elecnor/Enerfin em investimentos em 2011?
Magadan – Primeiro, há a demonstração da continuidade de investimentos do grupo no Rio Grande do Sul, que já foi manifestado ao governador Tarso Genro. O grupo evidenciou que tem desejo de investir mais e que é responsável com os cumprimentos dos prazos. Mas tem algumas coisas em que as políticas públicas precisam ser aprimoradas. A Empresa de Pesquisa Energética (EPE), que é vinculada ao Ministério de Minas e Energia, prevê que, de 2010 a 2019, o Brasil terá que construir 35 mil MW de energia nova, englobando todas as fontes. No meu ponto de vista, a empresa está tendo uma atitude muito responsável quanto ao planejamento do setor elétrico brasileiro. É algo enorme. O que nos interessa no caso das eólicas, na minha opinião, é que se deve tornar mais claro o horizonte para os investidores.
Empresas & Negócios – O que é possível fazer para tornar o futuro do segmento mais previsível?
Magadan – O governo federal precisa dizer quantos leilões serão realizados e qual o volume de energia que será contratado nos próximos anos. O indicado seria projetar dez anos. Com isso, é possível concretizar uma política nacional de investimentos em parques eólicos, uma política industrial voltada para a produção de equipamentos, como aerogeradores e componentes derivados, e um aprimoramento tecnológico.
Empresas & Negócios - Que volume de energia os leilões eólicos deveriam comercializar anualmente?
Magadan – O ideal era trabalhar com uma faixa de 3 mil MW. Um detalhe que reivindicamos é que se estude a possibilidade de realização de leilões regionais. Essa situação contemplaria o Rio Grande do Sul.
Empresas & Negócios – Como o senhor avalia os atuais patamares de preço para a comercialização da energia eólica?
Magadan – Quando uma empresa entra em um leilão e dá um preço, ela tem viabilidade. Os valores que estão sendo praticados são reais.
Empresas & Negócios – Quando o grupo Elecnor/Enerfin deve iniciar as obras de expansão de geração eólica em Osório e Palmares do Sul?
Magadan – As obras começam neste primeiro semestre de 2011. E até 2013 deverão ser concluídas.
Empresas & Negócios – O Rio Grande do Sul e o Nordeste possuem condições de ventos favoráveis para a geração eólica. Como o senhor vê a concorrência entre essas duas regiões?
Magadan – O Rio Grande do Sul tem que enfrentar melhor a concorrência dos estados do Nordeste em relação à questão da energia eólica. E uma prova disso são os resultados dos últimos leilões. Temos ficado com 10%, 12% do total que é arrematado nas disputas, o maior volume de energia fica no Nordeste. O Rio Grande do Sul tem que se dar conta de que a energia eólica é uma dádiva. O Estado possui ventos e não pode dispensar essa fonte, pois é deficitário na produção de energia em relação ao seu consumo. É preciso criar um mecanismo para incentivar o empreendedor a investir na região. O governador Tarso Genro se mostrou extremamente sensível para analisar essa situação. Na condição de presidente da Ventos do Sul e através da Federasul vamos tentar contribuir para que se crie um programa de incentivo à energia eólica no Estado.
Empresas & Negócios – Além do apoio do governo, que outros fatores podem contribuir para o desenvolvimento da fonte eólica no Estado?
Magadan - Há dois fatores que afetam o mundo atualmente e deverão ser relevantes nos próximos anos: segurança energética para garantir o crescimento econômico e preservação ambiental, com redução da geração dos gases que provocam o efeito estufa. Como ampliar a oferta de energia, mantendo a preocupação ambiental? Esse será um desafio da humanidade. O Rio Grande do Sul tem hoje uma diversificação das fontes energéticas, que passam pela hídrica, térmica e eólica. A eólica é uma nova fonte absolutamente limpa, sem nenhum contratempo ambiental. Além disso, independentemente de o Rio Grande do Sul estar ligado ao sistema interligado de energia, nós precisamos, por segurança, por sermos ponta do sistema, ter uma maior produção de energia. A fonte eólica é complementar à hídrica e pode auxiliar o sistema elétrico em tempos de seca.
Empresas & Negócios – O setor verifica no momento uma carência quanto a uma cadeia nacional de fornecedores de equipamentos eólicos?
Magadan – Estamos criando essa cadeia. A tendência de nacionalização é rápida e já está acontecendo. Até porque o Bndes (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), para conceder financiamentos, exige isso. Pelo movimento do mercado nacional, identifica-se um grande interesse do ponto de vista industrial e tecnológico para implantar uma cadeia produtiva integral dentro do Brasil.
Empresas & Negócios – E como está essa questão no Rio Grande do Sul?
Magadan – O Rio Grande do Sul tem condições tecnológicas de ser um produtor de equipamentos eólicos. Já poderia haver no Estado uma indústria de aerogeradores. Poderíamos fornecer esses equipamentos para o Mercosul, para a Argentina, que tem um potencial para energia eólica muito grande na Patagônia. Também teríamos a possibilidade de abastecer outros estados e exportar para outras nações. O Rio Grande do Sul está pedindo uma fábrica de aerogeradores e essa pode ser uma meta do novo governo estadual.
Empresas & Negócios – Como o senhor avalia o potencial de produção eólica offshore (na água)?
Magadan – Temos um potencial muito grande em terra, com um custo bem menor, então devemos pensar no offshore mais adiante. Porém, devemos nos preparar para isso, pois o processo tecnológico e as necessidades são mais rápidos, muitas vezes, do que o planejamento. No Nordeste já existem projetos nesse sentido e o Rio Grande do Sul também deve começar a considerar a questão. Temos que pensar com antecipação. Se os equipamentos e a tecnologia empregada diminuírem de custos, a vantagem do offshore é que se alcança um fator de capacidade de geração maior. Isso porque não existem obstáculos para interromper os ventos. É possível, no mar, chegar a 75% de capacidade de produção de energia.

Fonte: Jornal do Comércio

Wind Energy is Growing Fast



LISTA DOS 20 Maiores Parques Eolicos do Mundo

1 ) – Horse Hollow Wind Energy Center, 736 MW (Estados Unidos)
2 ) – Tehachapi Pass Wind Farm, 690 MW (Estados Unidos)
3 ) – San Gorgonio Pass Wind Farm, 619 MW (Estados Unidos)
4 ) – Altamont Pass Wind Farm, 606 MW (Estados Unidos)
5 ) – Sweetwater Wind Farm, 505 MW (Estados Unidos)
6 ) – Peetz Wind Farm, 400 MW (Estados Unidos)
7 ) – Buffalo Gap Wind Farm, 353 MW (Estados Unidos)
8 ) – Maple Ridge Wind Farm, 322 MW (Estados Unidos)
9 ) – Whitelee Wind Farm, 322 MW (Reino Unido)
10) – Thorntonbank Wind Farm, 300 MW (Bélgica)
11) – Stateline Wind Project, 300 MW (Estados Unidos)
12) – King Mountain Wind Farm, 281 MW (Estados Unidos)
13)Alto Minho Parque Eólico, 240 MW (Portugal)
14) – Wild Horse Wind Farm, 229 MW (Estados Unidos)
15) – Blue Canyon Wind Farm, 225 MW (Estados Unidos)
16) – Roscoe Wind Farm, 209 MW (Estados Unidos)
17) – Maranchón, Parque Eólico 208 MW (Espanha)
18) – Fenton Wind Farm, 206 MW (Estados Unidos)
19) – New Mexico Wind Energy Center, 204 MW (Estados Unidos)
20) – Vankusawade Wind Park, 201MW (India)

Parque Eólico Rio do Fogo

Parque Eólico de Tramandaí | EDP Renováveis Brasil

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Usinas plataforma: solução brasileira para geração



Vídeo produzido pela Eletrobras explica o conceito que se pretente utilizar para explorar potencial hidrelétrico da região Amazônica, minimizando os impactos ambientais das futuras usinas

Energia solar: Cara? Não é bem assim


INTERESANTE E POLEMICA ENTREVISTA AO SR. CARLOS CAFE
O consultor Carlos Café, do Studio Equinócio, mostra o grande potencial para a energia solar térmica e fotovoltaica no país. Segundo ele, falta vontade política para fazer esta alternativa de geração ganhar o mercado. Veja mais sobre energia solar: http://bit.ly/EnergiaSolar

USINA SOLAR CEARA BRASIL MPX em versão alternativa



The development in Ceará have enough power to supply 1500 homes. In the video, learn more about the process of producing electricity from the sun.

Planejamento Energético: renováveis como receita

sábado, 16 de abril de 2011

ELECTRICIDAD Y MAGNETISMO



RESUMEN
LIBRO CLASICO DE ELECTRICIDAD Y MAGNETISMO
Este libro al exponer la teoría de la electricidad y el magnetismo, es posible basarse desde el comienzo en la naturaleza relativista del campo magnético y representar los campos magnético y eléctrico en su relación mutua y unida, dado que las ideas principales de la teoría de la relatividad se conocen del curso de la mecánica. Por esta razón, la exposición del material en este libro no comienza por la electrostática, sino por el análisis de los conceptos principales, relacionados con las cargas, fuerzas, y con el campo electromagnético.

LO ENCUENTRAS EN VARIOS SITES:
LINK1 :
http://www.megaupload.com/?d=ZD86VDTE

LINK2:
http://rapidshare.com/files/170181230/electricidadymagnetismo.rar

Problemas de Fisica General de Volkenshtein


DESCRIPCION:
Excelente colección de Problemas de Física General 1629 ejercicios y problemas- sobre Mecánica, Física Molecular y Termodinámica, Electricidad y Magnetismo, Vibraciones y Ondas, Óptica y Física del átomo y del núcleo atómico, con sus respuestas y soluciones.
ES UN LIBRO CLASICO RELATIVAMENTE ANTIGO 1970,CUANDO ESTUDIABA EN PERU,ME TRAJO GRATO RECUERDOS,LO ENCONTRE SURFANDO EN LA INTERNET EN VARIOS LUGARES:
LINK1:http://www.megaupload.com/?d=BKZYOAHV

LINK2: http://rapidshare.com/files/170187776/problemasdefisicageneralvolkenshtein.rar

Fundamentos de Electrotecnia [Spanish] by M. Kuznetsov



EXCELENTE LIBRO DE LA EDITORIAL MIR,EN ESPECIAL PARA LOS AUTODIDACTAS,EXPLICA BRILLANTEMENTE LOS FENOMENOS ELECTRICOS Y MAGNETICOS

LO PUEDES BAJAR EN VARIOS SITIOS EN LA INTERNET :

http://rapidshare.com/files/170183813/fundamentosdeelectrotecnia.rar

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Mini Curso: MANCAIS MAGNÉTICOS - MAGNETIC BEARINGS COJINETES MAGNETICOS






10th COBEP – Bonito MS
27 setembro 2009 – 8 horas de aula
Mini Curso: MANCAIS MAGNÉTICOS - MAGNETIC BEARINGS

(a) Conteúdo
CAP 1 – Conceituação Básica (Richard M. Stephan)
1.1 Motivação para o uso de mancais magnéticos
1.2 Métodos de levitação magnética
1.3 Componentes de um mancal magnético
1.4 Mancal magnético e motor mancal
1.5 Circuitos magnéticos
1.6 Exemplo de uma esfera levitante
CAP 2 – Dinâmica Mecânica (Fernando C. Pinto)
2.1 Mancais mecânicos
2.2 Dinâmica de rotores rígidos
2.3 Dinâmica de rotores flexíveis
2.4 Simulações dinâmicas
CAP 3 – Controladores para Mancais Magnéticos (Afonso Celso Del Nero Gomes)
3.1 Estabilidade e instabilidade de sistemas dinâmicos
3.2 Controladores PID desacoplados
3.3 Controladores multi-variáveis
3.4 Simulações com MATLAB
CAP 4 – Eletrônica de Potência Aplicada a Mancais Magnéticos (José Andrés Santisteban)
4.1 Circuitos lineares e chaveados
4.2 Inversores e choppers
4.3 Circuitos de disparo
4.4 Simulações com SPICE
CAP 5 – Aspectos de Realização e Considerações Finais (Andrés Ortiz Salazar)
5.1 Sensores de posição e corrente
5.2 Microcontroladores e DSP’s
5.3 Motores aproveitados para Mancais Magnéticos
5.4 A experiência da UFRN e da UFRJ (filmes)
5.5 Perspectivas brasileiras
DOWNLOAD MINICURSO:http://www.4shared.com/document/GIeBnxhR/SC4.html

Sistemas Eletrônicos para Iluminação






Sistemas Eletrônicos para Iluminação Ricardo Nederson do Prado Alexandre Campos Àlysson Raniere Seidel Rafael Adaime Pinto
MINICURSO MINISTRADO EN EL 10°CONGRESO BRASILEIRODE ELETRÔNICA DE POTENCIA COBEP2009 .Em 2009, acontecerá o Cobep'09, organizado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Universidade Estadual Paulista-UNESP-Campus de Ilha Solteira e Universidade Federal de Goiás-UFG, na cidade de Bonito, no estado de Mato Grosso do Sul, de 27 de setembro a 01 de outubro de 2009.
EL MINICURSO COMPLETO PODES BAIXAR EM:http://www.4shared.com/document/9PlsjgfA/SistEletronicosIluminaao.html

INFLUÊNCIA DO TAMANHO DE GRÃO E DAS ADIÇÕES DE Al E Mn NAS PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DOS AÇOS ELÉTRICOS DE GRÃO NÃO ORIENTADO COM 3%Si


INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA RODRIGO FELIX DE ARAUJO CARDOSO INFLUÊNCIA DO TAMANHO DE GRÃO E DAS ADIÇÕES DE Al E Mn NAS PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DOS AÇOS ELÉTRICOS DE GRÃO NÃO ORIENTADO COM 3%Si Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Mestrado em Ciência dos Materiais do Instituto Militar de Engenharia, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Ciências em Ciência dos Materiais. Orientador: Prof. Luiz Paulo Mendonça Brandão - D.C. Co-orientador: Marco Antônio da Cunha - Ph.D. VEJA A DISSERTAÇAO COMPLETA EM : http://www.ime.eb.br/arquivos/teses/se4/cm/dissert_rodrigocardoso.pdf


quarta-feira, 13 de abril de 2011

650V XPT IGBT in SMPD Package





650V XPT IGBT in SMPD Package High efficiency and robust devices Efforts to reduce global warming effects demand a more efficient use of energy in all segments of our daily life. Therefore more and more applications are controlled and regulated by power electronics. Examples are electronically controlled motors for air conditioners or pumps for refrigeration. By Iain Imrie, Elmar Wisotzki, Olaf Zschieschang and Andreas Laschek-Enders

terça-feira, 12 de abril de 2011

IWT - International Workshop on Telecommunications Rio de Janeiro, Brazil, from 3rd to 6th of May, 2011.



IWT - International Workshop on Telecommunications
http://www.inatel.br/iwt/

The International Workshop on Telecommunications (IWT) is a biennial event sponsored by Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), Brazil. The IWT'11 will be held in Rio de Janeiro, Brazil, from 3rd to 6th of May, 2011.

Its main goal is to promote and discuss the latest innovations in the telecommunications area. It will be a great opportunity for all the professionals and researchers to share ideas and learn more about the new developments and researches.

Besides its social program, the workshop will offer tutorials, plenary sessions and keynote sessions presented by internationally recognized experts, featuring a technical program with researchers from academia and engineers from industry, network operators and service providers.Authors are invited to submit extended abstracts describing original works in telecommunications area for the technical papers to be presented at the workshop.

Hope to meet you in the IWT'11 in Rio de Janeiro, Brazil!

Prof. Dr. Carlos Alberto Ynoguti
General Chairman

segunda-feira, 4 de abril de 2011

TV Cidade CAIPORA ROBOT APLICAÇOES MILITARES FORTALEZA CEARA BRASIL

ARMTEC no Programa Vocações (TV Ceará) Parte 1 REFERENCIA ROBOTICA BRASIL

ARMTEC no Programa Vocações (TV Ceará) Parte 2 EXPERIENCIA EM ROBOTICA BRASIL PERU

Eletrônica de Potência-PROF. IVO BARBI

UM GRANDE APORTE PARA A COMUNIDADE ACADEMICA ,INDUSTRIAL,EXCELENTE LIVRO DE DIDATICA IMPRESIONANTE E VISÃO CRITICA. Prof. Ivo Barbi, informo que está disponível para download, na página do professor Ivo (www.ivobarbi.com)a versão do livro Eletrônica de Potência, sexta edição, no formato PDF. DOWNLOAD -VOCE PODE BAIXAR EM : http://www.ivobarbi.com/PDF/livros/PotI/PotI.pdf

domingo, 3 de abril de 2011

BRASIL PRESENTE EN IEEE – IFEC 2011 International Future Energy Challenge 2011



Nanogenerators That Can Produce Electricity with a Pinch


Nanogenerators That Can Produce Electricity with a Pinch
Six years ago, scientists began their research in putting together a nanogenerator that could generate electricity with a cue from normal body movement. What sounded a weird, almost impossible vision six years ago saw a streak of progress over the years. Finally, at the 241st National Meeting & Exposition of the American Chemical Society, scientists revealed the development that has been taking place in this sphere ever since its conception.
Leading the research, scientist, Zhong Lin Wang, Ph.D. shared his vision and the potentiality of this technology. According to him, the success of this technology will make most electronics portable. Making it easier to carry, and completely eliminate the need for external power generators. The ‘pinch to generate power’ is just one of the many modes of power generation, as per the scientists at the meeting. Yet another power generation mode is placing the generator in the sole of a shoe. This way electricity can be generated by the walking movement of a person.

The fundamentals of nanogenerators are the use of zinc oxide (ZnO) nanowires in them. The key characteristic of these nanowires is their ability to generate electricity when they’re strained or flexed. This plainly means that in the future simple bodily movements like heartbeats, flow of blood, or walking could actually generate power!

Scientists are now hopeful that nanogenerators, in the future, will power cellphones, iPods and other larger electronics.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Robot reciclador peruano gana concurso en Japón

OLIMPIADA DE ROBOTS 2006 CNN

DR. Mario Ricardo Arbulú Saavedra-PHD ROBOTICA 2009 TRIUNFADOR EN ESPAÑA







Mario Ricardo Arbulú Saavedra
Tel: (34) 916246011

E-mail: marioricardo.arbulu@uc3m.es
European PhD in Electrical, Electronic and Automatic Engineering, University Carlos III of Madrid, Spain, 2009. MSc on Electric, Electronic and Automation Engineering, by the University Carlos III of Madrid, Spain, 2003. Electromechanical Engineer, by the University of Piura - Peru, 1998. Currently, I am a Post-doctoral researcher in the AIST. Two years ago, I was in the same lab (Advanced Institute of Science and Technology-AIST), Japan, 2007; in the Humanoid robotics group. From 2003, I am a teaching assistant at the Department of System Engineering and Automation and my thesis research is about Gaits of Humanoids robots. Participate in Rh-2 and ROBOT@CWE E-U Projects. Coordinator of Rh-1 humanoid robot Project since 2002. Project assesor in technical studies of Telecommunications projects (Cóndor Corporation, Peru), 2000. Heavy machinery maintenance, preventive and corrective maintenance supervision (Trucks, Frontal loaders, Tractors, Shippers, Pumps, Auxiliary equipment), when I worked in Maintenance Area of San Martín Mining Company, Peru, 1999. Stage of research on Automatization and Industrial Control Process (2 months), by a scholarship on the Intercampus Program, in the University of Valladolid, Spain, 1998. Development of Electrical inspection, conductors and thermomagnetic switches selection, overload and short circuit protection, substations, reading electrical map, knowledge about pneumatic and hydraulics, when I was laboratory instructor (Electrical engineering and Automatic Control Systems) in Piura University, Peru, 1996-97. About informatics knowledge: Labview, Matlab, Autocad, Surfcam, Catia. Leadership, entrepreneur, analytical, work under pressure and in team.

RESEARCH INTERESTS

Biped locomotion, kinematics and dynamics modelling, humanoid robots, control systems.